A RELIGIÃO E O DIREITO NA FORMAÇÃO DA CONDUTA HUMANA.html

A RELIGIÃO E O DIREITO NA FORMAÇÃO DA CONDUTA HUMANA

Foed Saliba Smaka Júnior

Mestrando em Teologia Faculdades Batista do Paraná

foedjr@gmail.com

O objetivo do presente trabalho é demonstrar a influência da religião e do direito, para a construção da sociedade, na medida em que modificam e limitam a conduta humana. Visa demonstrar que o comportamento humano é formado por diferentes regras que passam a regular diversos modos de pensar ou agir, o que passam a se constituir em modelos diferindo as formações sociais. Esses modos, quase sempre são representados por ideias que com o passar do tempo consolidam em modelos comportamentais construídos, via de regra, pelo grupo dominante do grupo social. Tais modelos de comportamento passam então a caracterizar, de maneira genérica, as formas gerais de comportamento, aceitos ou não pelo grupo social. A fim de verificar os limites dos comportamentos desejáveis e evitar os indesejáveis, tornam-se, primeiramente princípios morais e, por fim, quase sempre passam a figurar no ordenamento jurídico regulador da sociedade, passando do campo da ética e da moral, para o campo do direito, ou seja, passam a ser o conjunto de princípios e normas, obrigações e garantias que de forma expressa, como conjunto de leis, passam a ser exigidos, fiscalizados e, quando não cumpridas, punidos pelas instituições estabelecidas para tal fim. Não se pode negar que uma dessas instituições, cujo objetivo era regular e punir condutas, é a religião, especialmente, no presente estudo, o cristianismo que historicamente elaborou normativas e fixou princípios capazes de induzir um alto grau de conformismo do comportamento humano. No entanto a ascensão de um Estado livre e, muitas vezes laico, que passou a construir seu ordenamento legal fundado em regras livres da intervenção religiosa, legislações independentes dos princípios divinos, mais voltadas a secularidade, formando os valores da sociedade atual.

ABSTRACT

The goal of the present work is to demonstrate the influence of religion and law for the construction of society, insofar as they modify and limit human conduct. It aims to demonstrate that human behavior is formed by different rules that regulate different ways of thinking or acting, which are becoming models differing social formations. These models are almost always represented by ideas that over time consolidate into behavioral models constructed, as a rule, by the dominant group of the society. These behavioral models then proceed to characterize, in a general way, the general forms of behavior, accepted or not by the social group. In order to verify the limits of desirable behaviors and to avoid the undesirable ones, they become, first of all, moral principles and, lastly, they almost always appear in the legal order of society, from the field of ethics and morals, to the field of the law, that is, they become the set of principles and norms, obligations and guarantees that expressly, as a set of laws, are now demanded, supervised and, when not fulfilled, punished by the institutions established for that purpose. It can not be denied that one of these institutions, whose purpose was to regulate and punish conduct, is religion, especially in the present study, Christianity which has historically elaborated norms and established principles capable of inducing a high degree of conformity of human behavior. However, the rise of a free and often secular state, which began to build its legal system based on rules free of religious intervention, laws independent of divine principles, more focused on secularity, forming the values of today’s society.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.